01/03/2012

CULTURA

Bath, a cidade dos banhos

Considerada Patrimônio Mundial da Unesco, cidade se desenvolveu a partir das águas termais descobertas pelos romanos e celtas
Da Redação da Revista Cyan


Bath 2

O templo Roman Bath é um dos locais mais visitados da cidade

Situada a 120 quilômetros de Londres, a cidade de Bath é considerada Patrimônio Mundial da Unesco devido à sua importância histórica e arquitetônica. Há mais de dois mil anos, romanos e celtas começaram a beber e a banhar-se em suas águas naturalmente aquecidas. Foi a partir da descoberta dessas águas, às quais se atribui poderes curativos, que a cidade se desenvolveu e se tornou um dos pontos turísticos mais visitados da Inglaterra.

Além das termas, a cidade oferece ao turista museus, galerias de arte e edifícios históricos. Na área central, chamada de The Circle, um prédio circular marca o início de todas as ruas principais da cidade. O prédio, projetado pelo arquiteto John Wood com inspiração no Coliseu, de Roma, começou a ser construído em 1754 e foi finalizado em 1768.

Outro destaque da cidade é a ponte Pulteney, na qual degraus levam a uma plataforma coberta por água proveniente do Rio Avon. A construção foi projetada Robert Adam e é uma das poucas pontes do mundo a possuir lojas por toda sua extensão, em ambos os lados. Ainda na região central, há ainda diversos jardins abertos ao público.

Bath 3

Vista do Avon, o rio que corta a cidade inglesa

Outro ponto de atração é a Abadia de Bath, igreja anglicana cuja construção foi iniciada em 1499, na época medieval. Seus impressionantes vitrais renderam à igreja o apelido de "lanterna do oeste". Em seu subsolo há uma exposição sobre a história do Cristianismo na região, desde a civilização saxônica, passando pela normanda até chegar à Idade Média. Vale ainda visitar o Centro Jane Austen, escritora inglesa que foi a residente mais famosa de Bath, e o Museu da Moda, que conta 400 anos de história do vestuário.

Mas o ponto mais visitado continuam sendo as termas romanas - confira aqui um vídeo (em espanhol) que mostra seu funcionamento.

Batizado de Roman Bath, o edifício reúne num único lugar spas, lojas, restaurantes e, claro, opções de banhos especiais. Outros destaques são o Great Bath, onde os ancestrais romanos nadavam e relaxavam nas águas quentes, e o The Kings Bath, que existe desde o século 12 e  foi usado para banhos públicos até a metade do século 20. Atualmente, há inúmeros hotéis e resorts que oferecem banhos com a água de Bath.

Elevada à categoria de cidade em 1590, pela Rainha Elizabeth I, Bath atrai por ano cerca de quatro milhões de pessoas de todo o mundo. Conheça aqui a bela cidade de Bath pelas lentes do cineasta e fotógrafo John Thomson.

 

 

Deixe aqui seu comentário enviar |
Vista aérea do córrego do Crispim, feita a partir do balão do WWF-Brasil
Feito com estrutura de bambu, o viveiro será mantido e cuidado pela comunidade local
Feito com estrutura de bambu, o viveiro será mantido e cuidado pela comunidade local
A expedição visitou o início do córrego Crispim, a poucos metros da nascente, onde a água nasce límpida
Integrantes da expedição recebem informações de técnico da Companhia de Saneamento de Brasília (Caesb) sobre a nascente do Crispim e sobre a captação de água no local
Os incêndios são frequentes no entorno do córrego do Crispim, degradando a vegetação que protege o curso de água.
Travessia do córrego, rumo à foz.
Por falta de segurança e contaminação das águas, a população local deixou de frequentar as belas cachoeiras que se formam na foz do córrego Crispim, onde ele se junta ao córrego Alagados
Incêndios florestais são comuns à beira do córrego: um problema que o Projeto Bacias buscará minimizar.
Integrantes da expedição caminham rumo à foz do Crispim.