07/03/2012

TECNOLOGIA

Cientistas criam chuva com raio laser

O experimento poderá, no futuro, ajudar a minimizar a falta de chuva em lugares secos


céu-nublado-ae-hg-20110105

Parece coisa de ficção científica, mas cientistas da Universidade de Genebra, na Suíca, conseguiram induzir a formação de chuvas usando um raio laser de grande potência. A pesquisa, que faz parte do projeto Teramobile, é um alento para as populações que vivem em regiões do planeta com baixos índices pluviométricos.
De acordo com o experimento, o feixe de laser - de 100 micrômetros de diâmetro e centenas de metro de comprimento - induz a formação de microgotículas, que darão origem à chuva, desde que a umidade do ar esteja acima de 70%.
A explicação para o fenômeno, segundo os autores do projeto, está no efeito fotoquímico gerado pela interação entre o laser com o ácido nítrico (HNO3), o que provoca uma condensação deste ácido e vapor de água (HNO3 - H2O) ao redor do filamento de laser.
"Os filamentos de laser aumentam drasticamente a densidade numérica de partículas com diâmetros de até 25 nanômetros e seu crescimento, em poucos segundo, até atingir dimensões micrométricas estáveis", afirmam os pesquisadores.
O aumento da quantidade e do volume das gotículas nas nuvens é que faz com que elas fiquem pesadas e se precipitem, causando as chuvas. Clique aqui para entender como a chuva se forma.
O experimento, no entanto, não foi feito ao ar livre, na natureza, mas em laboratório, numa espécie de container fechado. O desafio agora é saber se as gotículas formadas pelo laser resistirão a fatores externos, como a presença de ventos.
Em todo mundo, cientistas tentam encontrar formas de produzir chuvas artificiais. No Brasil, uma tecnologia limpa e sustentável, foi desenvolvida pela ModClima, que há sete anos presta serviços à Sabesp.

 

Deixe aqui seu comentário enviar |
Vista aérea do córrego do Crispim, feita a partir do balão do WWF-Brasil
Feito com estrutura de bambu, o viveiro será mantido e cuidado pela comunidade local
Feito com estrutura de bambu, o viveiro será mantido e cuidado pela comunidade local
A expedição visitou o início do córrego Crispim, a poucos metros da nascente, onde a água nasce límpida
Integrantes da expedição recebem informações de técnico da Companhia de Saneamento de Brasília (Caesb) sobre a nascente do Crispim e sobre a captação de água no local
Os incêndios são frequentes no entorno do córrego do Crispim, degradando a vegetação que protege o curso de água.
Travessia do córrego, rumo à foz.
Por falta de segurança e contaminação das águas, a população local deixou de frequentar as belas cachoeiras que se formam na foz do córrego Crispim, onde ele se junta ao córrego Alagados
Incêndios florestais são comuns à beira do córrego: um problema que o Projeto Bacias buscará minimizar.
Integrantes da expedição caminham rumo à foz do Crispim.