24/05/2012

TECNOLOGIA

Bueiro ecológico colabora para evitar enchentes

Sistema alia filtro e sistema de monitoramento, que avisa quando o bueiro deve ser limpo
Da Redação da Revista Cyan


Testado atualmente, o sistema diminui o tempo médio de limpeza dos bueiros, de 40 para cinco minutos

Ano após ano, cidades do Brasil são castigadas pelas enchentes ocasionadas pelas chuvas de verão. No período, é comum transbordamento de rios e córregos, casas inundadas, enxurradas devastadoras e, infelizmente, mortes.

São Paulo é Rio de Janeiro estão entre as mais devastadas. Apesar de todo caos e dor, não há previsão de melhora para o cenário. Em São Paulo, por exemplo, apenas em 2040 a cidade poderá estar livre das enchentes, como mostrou o Movimento CYAN. Os técnicos da prefeitura da maior cidade do Brasil apostam que a solução será a construção de parques ao longo dos rios, o que evita a ocupação ilegal das margens e a execução de obras nas calhas dos cursos d'água.

Alternativas para evitar as enchentes não são discutidas apenas pelo poder público. Empresas privadas também já colocaram o assunto na pauta. É o caso da Ecco Sustentável, que desenvolveu um filtro ecológico capaz de reter o lixo que vem das ruas e que vai parar em bueiros da cidade. A empresa também desenvolveu um sistema de gestão para controlar o monitoramento desse filtro.

Batizados de Ecco Filtro e Ecco Gestor, o primeiro é feito de plástico, inteiramente sustentável e com capacidade para 300 litros. Instalado no interior dos bueiros, o equipamento capta o lixo, mas deixa a água passar graças aos furos na lateral e no fundo.

Já o Ecco Gestor é um sistema que monitora em tempo real qual a situação do filtro. O software identifica em qual capacidade encontra-se o filtro e quando ele chega a 80%, emite uma mensagem ao centro de gestão da empresa, que repassa a informação para a um órgão que fará a limpeza e manutenção.

Carlos Chiaradia, diretor da empresa que criou e desenvolveu o projeto, disse em entrevista que o sistema teve investimento de aproximadamente R$ 2,5 milhões. Ele afirma que o investimento inicial é mais alto do que o de um bueiro comum, entretanto "é uma solução definitiva e preventiva, não corretiva como acontece atualmente".

Testado atualmente pela Subprefeitura de Pinheiros, próximo à Avenida Rebouças, o sistema diminui o tempo médio de limpeza dos bueiros, de 40 para cinco minutos. O trabalho das pessoas que fazem a retirada dos resíduos também ficou mais salubre. "Na cidade São Paulo são utilizados outros sistemas que, além de não serem tão eficazes, são perigosos para quem faz a manutenção", explica Chiaradia.

 

Deixe aqui seu comentário enviar |
Vista aérea do córrego do Crispim, feita a partir do balão do WWF-Brasil
Feito com estrutura de bambu, o viveiro será mantido e cuidado pela comunidade local
Feito com estrutura de bambu, o viveiro será mantido e cuidado pela comunidade local
A expedição visitou o início do córrego Crispim, a poucos metros da nascente, onde a água nasce límpida
Integrantes da expedição recebem informações de técnico da Companhia de Saneamento de Brasília (Caesb) sobre a nascente do Crispim e sobre a captação de água no local
Os incêndios são frequentes no entorno do córrego do Crispim, degradando a vegetação que protege o curso de água.
Travessia do córrego, rumo à foz.
Por falta de segurança e contaminação das águas, a população local deixou de frequentar as belas cachoeiras que se formam na foz do córrego Crispim, onde ele se junta ao córrego Alagados
Incêndios florestais são comuns à beira do córrego: um problema que o Projeto Bacias buscará minimizar.
Integrantes da expedição caminham rumo à foz do Crispim.