16/05/2012

TECNOLOGIA

Microrrobô flutua para monitorar a água

Criado por pesquisadores chineses, ele poderá ajudar a conservar a qualidade da água de reservatórios e mananciais


microrobo

O robô tem dez pernas e poderá no futuro ser dotado de microcâmeras. Imagem: Zhang et al/ACS

Você já reparou que alguns insetos aquáticos são tão leves ou minúsculos que flutuam sobre a água? Inspirados na natureza, alguns cientistas já criaram minirrobôs capazes de se deslocar sobre a água ou sobre a água e a terra firme - tal qual os insetos da vida real.
A novidade mais recente é um robozinho desenvolvido pelo cientista Xinbin Zhang e seus colegas do Instituto de Tecnologia Harbin, na China, que deram mais robustez ao aparelho e o dotaram de outras funções, como a capacidade de monitorar a qualidade da água de reservatórios e mananciais.
O novo microrrobô flutuante tem dez pernas super-hidrofóbicas - ou seja, que repelem a água, permitindo que ele flutue - para sustentação e duas pernas encarregadas de dar impulso e permitir que ele se desloque sobre a água.
A ideia dos pesquisadores é fazer com que os microrrobôs coletem dados sobre a água dos reservatórios, bem como sobre ventos e correntes - substituindo os sensores fixos atualmente utilizados.
De acordo com o site Inovação Tecnológica, os pesquisadores afirmam que, com a miniaturização crescente, "logo será possível incorporar microcâmeras a esses robôs, que usarão o mesmo sistema de comunicação e transmissão de dados que as redes de sensores remotos".

 

 

Deixe aqui seu comentário enviar |
Vista aérea do córrego do Crispim, feita a partir do balão do WWF-Brasil
Feito com estrutura de bambu, o viveiro será mantido e cuidado pela comunidade local
Feito com estrutura de bambu, o viveiro será mantido e cuidado pela comunidade local
A expedição visitou o início do córrego Crispim, a poucos metros da nascente, onde a água nasce límpida
Integrantes da expedição recebem informações de técnico da Companhia de Saneamento de Brasília (Caesb) sobre a nascente do Crispim e sobre a captação de água no local
Os incêndios são frequentes no entorno do córrego do Crispim, degradando a vegetação que protege o curso de água.
Travessia do córrego, rumo à foz.
Por falta de segurança e contaminação das águas, a população local deixou de frequentar as belas cachoeiras que se formam na foz do córrego Crispim, onde ele se junta ao córrego Alagados
Incêndios florestais são comuns à beira do córrego: um problema que o Projeto Bacias buscará minimizar.
Integrantes da expedição caminham rumo à foz do Crispim.