13/01/2011

TECNOLOGIA

Empresa cria sistema que reduz consumo de água

Tratamento de efluentes, reaproveitamento de água da chuva e monitoramento do consumo são as principais medidas implementadas pela Sharewater
Da Redação da Revista Cyan


consumo_agua_500
Sistema de reaproveitamento de água instalado pela Sharewater na O2 Filmes.

A O2 Filmes, produtora que tem como um dos sócios o cineasta Fernando Meirelles, tem um sistema de reaproveitamento de água de chuva. O parque tecnológico do Cietec (Centro de Incubadoras de Empresas Tecnológicas), da Universidade de São Paulo (USP), também dispõe de um sistema de captação água da chuva, que é utilizada nos vasos sanitários e torneiras de jardim. Esses dois projetos foram realizados pela Sharewater, empresa de base tecnológica surgida no Cietec.

O Programa de Conservação de Água (PAC) da Sharewater consiste numa série de medidas permanentes a fim de reduzir o consumo e o desperdício, como a troca de equipamentos sanitários, que ganham descargas de fluxo reduzido, e não permanentes, como campanhas de educação, implantadas em edificações.

A ideia de montar a empresa nasceu da cabeça de Diogo Fonseca de Almeida, quando ainda era aluno do curso de Engenharia Civil da Escola Politécnica da USP. "Na faculdade, fui estagiário durante dois anos do programa de uso racional de água da USP, que economizou 153 milhões para a universidade em 10 anos", conta Diogo. Quando estava próximo da formatura, Diogo percebeu que poderia trabalhar com a gestão da água.

A empresa implanta seus programas nos mais diversos tipos de edificações (industrial, hospitalar, residencial, etc). Estudos são realizados para estimar a demanda de água e traçar as medidas necessárias. O diagnóstico é uma etapa importante, porque nem sempre o maior problema está no desperdício, mas sim no uso desnecessário de água, como a lavagem de pisos.

As principais medidas implementadas pela empresa são o tratamento de efluentes, o reaproveitamento de água da chuva e o monitoramento do consumo. Edifícios ecologicamente corretos - não custa lembrar - não apenas representam um benefício ambiental, mas economizam dinheiro com a redução de contas de água e luz e são valorizados no mercado.

Crédito foto: Arquivo da Sharewater

 

Deixe aqui seu comentário enviar |
Vista aérea do córrego do Crispim, feita a partir do balão do WWF-Brasil
Feito com estrutura de bambu, o viveiro será mantido e cuidado pela comunidade local
Feito com estrutura de bambu, o viveiro será mantido e cuidado pela comunidade local
A expedição visitou o início do córrego Crispim, a poucos metros da nascente, onde a água nasce límpida
Integrantes da expedição recebem informações de técnico da Companhia de Saneamento de Brasília (Caesb) sobre a nascente do Crispim e sobre a captação de água no local
Os incêndios são frequentes no entorno do córrego do Crispim, degradando a vegetação que protege o curso de água.
Travessia do córrego, rumo à foz.
Por falta de segurança e contaminação das águas, a população local deixou de frequentar as belas cachoeiras que se formam na foz do córrego Crispim, onde ele se junta ao córrego Alagados
Incêndios florestais são comuns à beira do córrego: um problema que o Projeto Bacias buscará minimizar.
Integrantes da expedição caminham rumo à foz do Crispim.