30/11/2010

SAÚDE

Drogas ilegais poluem canais na Espanha

Os responsáveis pela descoberta temem que o consumo da água contaminada tenha efeitos nocivos para a população
Da Redação da Revista Cyan


Rio_Valencia
Canal do Parque Natural de L'Albufera: perigosa contaminação

Uma das regiões alagadas mais importantes da Europa, o Parque Natural de L'Albufera, na Espanha, abriga grande diversidade de fauna e flora. Localizado 10 quilômetros ao sul de Valência, terceira maior cidade do país, a reserva se estende por 21 mil hectares e é considerada uma área estratégica para aves migratórias.

A má notícia é que as águas de seus canais estão contaminadas por cocaína, ectasy e outras seis drogas ilegais, entre elas afetaminas, codeína, morfina e princípios ativos de maconha. As concentrações variam de 0,06 a 78,78 nanogramas por litro. Cocaína e ectasy foram as drogas identificadas com maior frequência.

A revelação foi feita por uma equipe de pesquisadores da Universidade de Valência que analisou amostras da água de 16 canais que cruzam o parque. Eles afirmaram que as mesmas substâncias foram identificadas na urina de pessoas vivendo próximas aos canais.

Os cientistas receiam que exista grande possibilidade de as drogas estarem sendo levadas pela água para canais usados para irrigação de plantações. Na região, são comuns lavouras de arroz e de frutas cítricas.

Ainda não foram realizados estudos ecotoxicológicos exaustivos que confirmem o risco representado pela presença dessas substâncias para o meio ambiente e para a população. Mas os cientistas já alertaram para possíveis conseqüências negativas.

Um artigo sobre a descoberta foi publicado na revista Analytical and Bioanalytical Chemistry.

Crédito foto: Yolanda Picó et al / SINC

 

Deixe aqui seu comentário enviar |
Vista aérea do córrego do Crispim, feita a partir do balão do WWF-Brasil
Feito com estrutura de bambu, o viveiro será mantido e cuidado pela comunidade local
Feito com estrutura de bambu, o viveiro será mantido e cuidado pela comunidade local
A expedição visitou o início do córrego Crispim, a poucos metros da nascente, onde a água nasce límpida
Integrantes da expedição recebem informações de técnico da Companhia de Saneamento de Brasília (Caesb) sobre a nascente do Crispim e sobre a captação de água no local
Os incêndios são frequentes no entorno do córrego do Crispim, degradando a vegetação que protege o curso de água.
Travessia do córrego, rumo à foz.
Por falta de segurança e contaminação das águas, a população local deixou de frequentar as belas cachoeiras que se formam na foz do córrego Crispim, onde ele se junta ao córrego Alagados
Incêndios florestais são comuns à beira do córrego: um problema que o Projeto Bacias buscará minimizar.
Integrantes da expedição caminham rumo à foz do Crispim.