12/03/2012

CULTURA

Brasil participa do 6° Fórum Mundial da Água com 40 instituições

Considerado atualmente o maior evento mundial sobre o tema, fórum será realizado entre 12 e 17 de março em Marselha, na França
Da Redação da Revista Cyan


Filmado em Madrid, vídeo sobre a incrível viagem da água, recurso debatido por 20 mil pessoas em evento sediado na França

 

Começa hoje em Marselha (França), o 6° Fórum Mundial da Água, que até o dia 17 tem como desafio oferecer estratégias de como melhor partilhar os recursos de água potável para cerca de 800 milhões de pessoas ainda sem acesso.

O assunto será discutido por cerca de 20 mil pessoas de 40 países. O Brasil participa oficialmente do fórum por meio da Agência Nacional de Águas (ANA). O órgão está inserido em mais de trinta eventos, palestras e mesas redondas. Entre as ações realizadas pela agência vale citar o painel "A Caminho da Rio+20" e as mesas redondas "Adaptação às Mudanças Climáticas" e "Economia Verde".

Na terça-feira (14/3), o diretor-presidente da ANA, Vicente Andreu, participa da sessão "Governança Global da Água", com representantes das Nações Unidas e do Conselho Mundial da Água. A delegação brasileira será chefiada pela ministra de Meio Ambiente, Izabella Teixeira.

Além da ANA, o país tem outros representantes: 40 instituições públicas e privadas e pelo menos 200 brasileiros. Algumas instituições brasileiras apresentam soluções técnicas exitosas e boas práticas no Pavilhão Brasil, uma área de 345m² que sedia ações paralelas ao fórum. A própria ANA irá promover algumas ações paralelas às oficiais nesse espaço, como as palestras "Recursos Hídricos na Amazônia" e "Segurança Hídrica, Escassez em Regiões Semiáridas".

Realizado a cada três anos, o Fórum Mundial da Água é o maior evento global sobre o tema. O evento acontece a cada três anos, sempre no mês de março, quando se comemora o Dia Mundial da Água (22 de março). A sexta edição é coordenada pelo Governo da França, pela Prefeitura de Marselha e pelo Conselho Mundial da Água com a finalidade de construir comprometimentos técnicos e políticos para a conservação, proteção, planejamento, gestão e uso da água em todo o planeta.

Com o tema "Tempo de Soluções", o fórum propõe que os países, instituições e técnicos avancem, a partir de suas experiências, de um patamar teórico para a apresentação de soluções em temas como garantia de acesso aos serviços de água, harmonização entre água e energia, impactos das mudanças climáticas e gestão dos recursos hídricos, entre outros.

Rio+20

Esse ano, a importância do Fórum Mundial da Água ganha maior peso devido à proximidade da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20)

. Por isso, o Conselho Mundial da Água organizou o evento "A Caminho da Rio+20". Espera-se que as discussões que serão travadas nesta sessão sinalizem as principais questões sobre água a serem levadas ao Rio de Janeiro.



 

Deixe aqui seu comentário enviar |
Vista aérea do córrego do Crispim, feita a partir do balão do WWF-Brasil
Feito com estrutura de bambu, o viveiro será mantido e cuidado pela comunidade local
Feito com estrutura de bambu, o viveiro será mantido e cuidado pela comunidade local
A expedição visitou o início do córrego Crispim, a poucos metros da nascente, onde a água nasce límpida
Integrantes da expedição recebem informações de técnico da Companhia de Saneamento de Brasília (Caesb) sobre a nascente do Crispim e sobre a captação de água no local
Os incêndios são frequentes no entorno do córrego do Crispim, degradando a vegetação que protege o curso de água.
Travessia do córrego, rumo à foz.
Por falta de segurança e contaminação das águas, a população local deixou de frequentar as belas cachoeiras que se formam na foz do córrego Crispim, onde ele se junta ao córrego Alagados
Incêndios florestais são comuns à beira do córrego: um problema que o Projeto Bacias buscará minimizar.
Integrantes da expedição caminham rumo à foz do Crispim.