14/06/2012

CULTURA

Flagrantes submarinos

Fotógrafo australiano clica imagens insólitas de pessoas nadando sob as ondas do mar


2012summer_01

Foto por: Mark Tipple

A bela imagem que ilustra esse post faz parte de um trabalho original do fotógrafo e surfista australiano Mark Tipple, que retrata banhistas nadando debaixo das ondas. Dentro do mesmo projeto, batizado de "The Underwater Project", o fotógrafo também já clicou surfistas caindo de suas pranchas na água.
"Nas fotos anteriores, eu estava mais sob a influência do surfe. Quando eu comecei [o trabalho], estava a procura de um lado diferente do surfe que não estava sendo visto antes. Mas, agora, o meu foco são nadadores, já que, para mim, é mais interessante ver as pessoas embaixo d'água sem as pranchas de surfe", afirmou Tipple à BBC Brasil.
Para conferir mais fotos do projeto, clique aqui.

2012summer_02

Foto por: Mark Tipple

O fotógrafo conta que, no início de sua carreira, pensou em fazer fotos de trabalhos humanitários, para mostrar as injustiças no mundo, mas percebeu que era difícil conseguir espaço para divulgar suas imagens.
Adepto e entusiasta do surfe, teve, então, a ideia de fazer imagens de surfistas caindo na água - uma temática não explorada até então. As fotos, de grande beleza plástica, alcançaram sucesso e ele decidiu dedicar-se ao tema, criando em 2009 o "Underwater Project".
Para conciliar o antigo desejo de atuar a favor de um mundo melhor, Tipple decidiu vincular seu trabalho ao de ONGs que lutam pela conservação dos ambientes marinhos.

 

Deixe aqui seu comentário enviar |
Vista aérea do córrego do Crispim, feita a partir do balão do WWF-Brasil
Feito com estrutura de bambu, o viveiro será mantido e cuidado pela comunidade local
Feito com estrutura de bambu, o viveiro será mantido e cuidado pela comunidade local
A expedição visitou o início do córrego Crispim, a poucos metros da nascente, onde a água nasce límpida
Integrantes da expedição recebem informações de técnico da Companhia de Saneamento de Brasília (Caesb) sobre a nascente do Crispim e sobre a captação de água no local
Os incêndios são frequentes no entorno do córrego do Crispim, degradando a vegetação que protege o curso de água.
Travessia do córrego, rumo à foz.
Por falta de segurança e contaminação das águas, a população local deixou de frequentar as belas cachoeiras que se formam na foz do córrego Crispim, onde ele se junta ao córrego Alagados
Incêndios florestais são comuns à beira do córrego: um problema que o Projeto Bacias buscará minimizar.
Integrantes da expedição caminham rumo à foz do Crispim.