04/06/2012

CULTURA

Livro de fotografia retrata presença da água no planeta

A história do bem mais precioso do planeta é registrada em 130 fotografias e 200 páginas de “Água: conservação e cultura”


Fotógrafo Adriano Gambarini relata em making of sua experiência na edição do livro bilíngue

 

Após viajar por vários locais do planeta, o fotógrafo Adriano Gambarini sentiu a necessidade de compartilhar com outras pessoas paisagens vistas pelos seus olhos e captadas pelas suas lentes.

Ao abrir seu arquivo com mais de 100 mil fotografias, clicadas em 20 anos de carreira, Gambarini percebeu que a água é um elemento unificador de praticamente todas elas. Assim, nasceu "Água: conservação e cultura", lançado pela Editora Cultura Sub, dedicada a obras de aspectos ambientais.

O livro, assinada também pela jornalista Laís Duarte, reúne 130 fotos produzidas em 18 países. Os registros incluem paisagens da Antártica e Patagônia, mostram dos mares gelados da Escandinávia até os rios subterrâneos das cavernas brasileiras. As plantações de arroz do Laos, as gigantescas dunas de Gobi, a fartura tropical da Floresta Amazônica e a realidade árida do sertão baiano também foram captadas pelo fotógrafo, que atua na National Geographic Brasil.

A edição de 200 páginas é bilíngue e explora dados históricos e geofísicos do elemento mais precioso de nosso planeta.  "O mundo depende da água. Eu acho o livro um grande objeto de troca entre as pessoas", comenta Gambarini no making of que divulga o livro. "A vida é feita de água. E ela é um recurso natural esgotável. O que a humanidade tem feito na água, nada mais é do que esgotar a própria vida e isso é muito sério", completa o fotógrafo.

"Simples e complexa, a água é um insumo indispensável para seres vivos e indústria, sendo essencial para a criação e manutenção da vida. O livro é mais um alerta, levando em consideração que este é um bem que não é um recurso infindável", observa Giangiacomo Gallizioli, gerente geral da Veolia Water Brasil, patrocinador do livro por meio da Lei Rouanet IR Cultura.

Além de registrar as belezas proporcionadas pele recurso mundo afora, o livro ainda faz ainda uma alerta sobre a disparidade do seu consumo nos países - enquanto um habitante dos Estados Unidos utiliza quase 600 litros por dia, os brasileiros consomem menos 200 litros. Já certos habitantes da África têm no máximo seis litros por dia à disposição.

Adriano Gambarini e Laís Duarte são autores também dos livros "Serra da Canastra" (2007) e "Serra da Canastra Diversidade Infinita" (2011). Ficou curioso para ver as fotografias do livro, caro leitor? Você consegue folhear algumas páginas neste link.

 

Deixe aqui seu comentário enviar |
Vista aérea do córrego do Crispim, feita a partir do balão do WWF-Brasil
Feito com estrutura de bambu, o viveiro será mantido e cuidado pela comunidade local
Feito com estrutura de bambu, o viveiro será mantido e cuidado pela comunidade local
A expedição visitou o início do córrego Crispim, a poucos metros da nascente, onde a água nasce límpida
Integrantes da expedição recebem informações de técnico da Companhia de Saneamento de Brasília (Caesb) sobre a nascente do Crispim e sobre a captação de água no local
Os incêndios são frequentes no entorno do córrego do Crispim, degradando a vegetação que protege o curso de água.
Travessia do córrego, rumo à foz.
Por falta de segurança e contaminação das águas, a população local deixou de frequentar as belas cachoeiras que se formam na foz do córrego Crispim, onde ele se junta ao córrego Alagados
Incêndios florestais são comuns à beira do córrego: um problema que o Projeto Bacias buscará minimizar.
Integrantes da expedição caminham rumo à foz do Crispim.