30/09/2011

CULTURA

Escultura gigante toma banho de lago na Alemanha

“A Banhista” integra campanha publicitária e celebra a relação afetuosa da população de Hamburgo com o lago Binnenalster
Da Redação da Revista Cyan


Um artista plástico encontrou um jeito inusitado e divertido de celebrar a relação afetuosa da população de Hamburgo, na Alemanha, com o lago Binnenalster: criou uma escultura gigante que simula uma mulher tomando banho na água do lago, ponto nobre da cidade.

Batizada de Die Badende ("A Banhista"), a obra tem 4 metros de altura por 20 de comprimento e pesa duas toneladas. O artista e publicitário Oliver Voss projetou uma mulher com apenas a cabeça e os joelhos para fora da superfície do lago Binnenalster, um dos canais do Rio Alster, que nasce a cerca de 25 quilômetros a norte do Hamburgo e deságua na margem norte do rio Elba.

"Hamburgo e a água são indissociáveis. Minha equipe e eu esperamos que a escultura encoraje mais pessoas a redescobrir e experimentar a nossa cidade pela água. Afinal, Binnenalster é a sala de Hamburgo e queremos que as pessoas se sintam confortáveis nele", justificou o artista.

A escultura foi feita a partir de uma gaiola de aço revestida com isopor e coberta por uma camada de enchimento especial selado com resina de poliéster.

Oliver Voss trabalhou no projeto por aproximadamente um ano e as dificuldades começaram para conseguir a licença de instalação da prefeitura. O transporte da "sereia" até o lago também foi bastante complicado devido ao tamanho. Outro problema foi fazer com que a escultura se mantivesse em equilíbrio.

A peça foi desenvolvida pelo artista para divulgar a marca de beleza britânica Soap & Glory, lançada na Alemanha em 2010. "A Banhista" ficou no lago por apenas 10 dias - sua exposição ocorreu em agosto. Apesar do curto período, atraiu bastante a atenção: moradores de Hamburgo e turistas passaram a alugar barcos para apreciar de perto a escultura flutuante. Alguns moradores da cidade, no entanto, argumentaram que ela destoava da paisagem da região.

 

Deixe aqui seu comentário enviar |
Vista aérea do córrego do Crispim, feita a partir do balão do WWF-Brasil
Feito com estrutura de bambu, o viveiro será mantido e cuidado pela comunidade local
Feito com estrutura de bambu, o viveiro será mantido e cuidado pela comunidade local
A expedição visitou o início do córrego Crispim, a poucos metros da nascente, onde a água nasce límpida
Integrantes da expedição recebem informações de técnico da Companhia de Saneamento de Brasília (Caesb) sobre a nascente do Crispim e sobre a captação de água no local
Os incêndios são frequentes no entorno do córrego do Crispim, degradando a vegetação que protege o curso de água.
Travessia do córrego, rumo à foz.
Por falta de segurança e contaminação das águas, a população local deixou de frequentar as belas cachoeiras que se formam na foz do córrego Crispim, onde ele se junta ao córrego Alagados
Incêndios florestais são comuns à beira do córrego: um problema que o Projeto Bacias buscará minimizar.
Integrantes da expedição caminham rumo à foz do Crispim.