31/05/2010

CULTURA

Água da torneira: boa para beber?

Depende da qualidade dos sistemas de purificação e distribuição
Da Redação da Revista Cyan


thumb_aguadatorneira
A água que sai da torneira nem sempre é potável
(Foto: Steve Cole)

 

Na Europa e nos Estados Unidos, a cena é muito comum: na hora de beber água, a pessoa vai com o copo direto na torneira. Essa hábito, no entanto, é raro no Brasil. "Aspectos culturais, sociais e econômicos explicam a resistência do brasileiro à água que jorra das torneiras", afirma o engenheiro Eduardo Mario Mendiondo, coordenador do curso de Engenharia Ambiental da Universidade de São Paulo (USP) de São Carlos.

"As pessoas sentem-se inseguras de beber diretamente da torneira porque não conhecem a origem da água e o tratamento que ela recebeu antes de chegar em casa", diz ele. "Muitos desconfiam de que as adutoras e os reservatórios do serviço de abastecimento não recebem a manutenção adequada, o que pode comprometer a potabilidade da água.".

Caso as tubulações estejam enferrujadas ou tenham vazamentos, mesmo que a empresa responsável pelo fornecimento de água faça um rigoroso tratamento e ela saía da estação potável e própria para consumo, o líquido pode sofrer algum tipo de contaminação durante o processo de distribuição.

Outro cuidado que o consumidor deve ter é com a manutenção da caixa d'água da casa ou do prédio onde mora. "Se esses reservatórios não estiverem limpos, a água pode até chegar ao imóvel potável, mas vai ficar contaminada e inadequada para consumo", diz Marcelo Morgado, assessor de meio ambiente da presidência da Sabesp, a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo. O ideal é que a caixa d'água seja limpa de seis em seis meses.

Assim, caso você tenha dúvidas sobre a qualidade da água servida na sua cidade, é recomendável usar filtros ou purificadores. Esses equipamentos são eficazes para retirar eventuais impurezas presentes na água e também para melhorar seu sabor, eliminando o gosto residual de cloro.

 

Deixe aqui seu comentário enviar |
Vista aérea do córrego do Crispim, feita a partir do balão do WWF-Brasil
Feito com estrutura de bambu, o viveiro será mantido e cuidado pela comunidade local
Feito com estrutura de bambu, o viveiro será mantido e cuidado pela comunidade local
A expedição visitou o início do córrego Crispim, a poucos metros da nascente, onde a água nasce límpida
Integrantes da expedição recebem informações de técnico da Companhia de Saneamento de Brasília (Caesb) sobre a nascente do Crispim e sobre a captação de água no local
Os incêndios são frequentes no entorno do córrego do Crispim, degradando a vegetação que protege o curso de água.
Travessia do córrego, rumo à foz.
Por falta de segurança e contaminação das águas, a população local deixou de frequentar as belas cachoeiras que se formam na foz do córrego Crispim, onde ele se junta ao córrego Alagados
Incêndios florestais são comuns à beira do córrego: um problema que o Projeto Bacias buscará minimizar.
Integrantes da expedição caminham rumo à foz do Crispim.