27/04/2011

CONSUMO CONSCIENTE

Garrafas PET podem estar com os dias contados

Projeto de Lei proíbe envase de refrigerantes e bebidas alcoólicas nessas embalagens
Da Redação da Revista Cyan


20110427_Garrafas_PET

Boa parte das 550 mil toneladas de garrafas PET produzidas no Brasil são descartadas na natureza.

Projeto de lei apresentado pelo Deputado Federal Eli Corrêa Filho propõe que fabricantes de bebidas alcoólicas e refrigerantes não possam utilizar garrafas de PET para envasar seus produtos. A justificativa do parlamentar é que os resíduos plásticos causam danos ao meio ambiente e à saúde da população.

"Praticamente todas as áreas urbanas do país convivem com inundações, provocadas pelo acúmulo de lixo em rios e canais. Além disso, o entupimento de galerias pluviais está diretamente relacionado ao descarte de lixo plástico", afirmou o deputado, membro dos Democratas (DEM) de São Paulo.

"A lei que criou a Política Nacional de Resíduos Sólidos não disciplinou o tema e o projeto de lei que apresentei na Câmara dos Deputados vem complementar tal dispositivo."

Se o projeto for aprovado pelo Congresso Nacional e sancionado pela presidente Dilma Rousseff, as indústrias terão que utilizar embalagens sustentáveis que evitem danos ao meio ambiente.

A Associação Brasileira da Indústria do PET (Abipet) criticou a proposta e afirmou que os fabricantes de embalagens PET já atendem à regulamentação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e dos órgãos ambientais.

Segundo o projeto de lei do deputado do DEM, o PET domina o mercado de bebidas, com 79,9% das embalagens. O vidro tem 12,3% e a lata, 7,8%. Os dados são da Associação Brasileira das Indústrias de Refrigerantes e Bebidas Não-Alcoólicas (Abir). O consumo de plástico pela indústria de bebidas tem crescido ano a ano.

No Brasil, são produzidas 550 mil toneladas de garrafas PET por ano, das quais boa parte é descartada na natureza. Isso gera grandes problemas sérios, já que uma simples garrafa PET pode levar de 400 a 700 anos para se decompor.

Assista aqui a um vídeo que mostra os danos causados pelo acúmulo de garrafas plásticas que vão parar nos oceanos.

Nos Estados Unidos, a empresa ESNO encontrou uma solução para preservar a natureza sem prejudicar o meio ambiente.  A saída encontrada foi a produção de garrafas 100% biodegradáveis e recicláveis.

"Nossas garrafas são biodegradáveis e se transformam em biogás através da quebra das moléculas, sem deixar materiais nocivos no meio ambiente", afirmou o fundador da empresa e idealizador do projeto, Danny Clark.

 

Deixe aqui seu comentário enviar |
Vista aérea do córrego do Crispim, feita a partir do balão do WWF-Brasil
Feito com estrutura de bambu, o viveiro será mantido e cuidado pela comunidade local
Feito com estrutura de bambu, o viveiro será mantido e cuidado pela comunidade local
A expedição visitou o início do córrego Crispim, a poucos metros da nascente, onde a água nasce límpida
Integrantes da expedição recebem informações de técnico da Companhia de Saneamento de Brasília (Caesb) sobre a nascente do Crispim e sobre a captação de água no local
Os incêndios são frequentes no entorno do córrego do Crispim, degradando a vegetação que protege o curso de água.
Travessia do córrego, rumo à foz.
Por falta de segurança e contaminação das águas, a população local deixou de frequentar as belas cachoeiras que se formam na foz do córrego Crispim, onde ele se junta ao córrego Alagados
Incêndios florestais são comuns à beira do córrego: um problema que o Projeto Bacias buscará minimizar.
Integrantes da expedição caminham rumo à foz do Crispim.