06/06/2012

AMBIENTE

ONG salva golfinhos encalhados na costa nordeste dos EUA

Encalhe de aproximadamente 180 mamíferos preocupa ambientalistas do o Fundo Internacional para o Bem Estar Animal


Vídeo (em inglês) mostra agonia e resgate dos mamíferos no Cabo Cod, Massachusset

 

Nos primeiros meses de 2012, cerca de 180 golfinhos foram encontrados encalhados no Cabo Cod, estado de Massachusset, costa nordeste dos Estados Unidos.

De acordo com o Fundo Internacional para o Bem Estar Animal (IFAW, na sigla em inglês), dos animais encontrados encalhados, aproximadamente 120 morreram. O número é cinco vezes maior do que a média de golfinhos encalhados anualmente na região nos últimos 12 anos.

Um dos principais salvamentos ocorreu em 14 de fevereiro, quando membros da IFAW conseguiram resgatar 10 golfinhos na enseada de Wellfleet. A região onde os animais estavam é acessível apenas a pé. A equipe de resgate precisou enfrentar lama e plantas típicas de pântano que atrapalhavam o caminho.

Uma das alternativas para salvar os golfinhos era transportá-los até um trailer com um tanque de água. Como a distância era razoavelmente longa, a equipe optou por esperar a maré encher novamente até que barcos conseguissem rebocar os animais de volta a uma região suficientemente profunda no mar local.

Os cientistas não conseguem explicar a recente onda de encalhes no Cabo Cod. De acordo com Katie Moore, pesquisadora do IFAW, a topografia da região é provavelmente um dos fatores, assim como as praias levemente inclinadas e o extenso banco de areia e lama. Algumas autópsias foram feitas, mas nada foi detectado.

A ONG de proteção animal também monitora os golfinhos que sobreviveram - pequenas etiquetas de rastreamento foram colocadas nos animais. Os dispositivos de localização por satélite têm a finalidade de colaborar com pesquisas da organização ambiental, além de informar a rota dos mamíferos.

Fundada em 1969, a IFAW salva animais em crise em todo o mundo. Com projetos em mais de 40 países, resgata animais individuais, trabalha para evitar a crueldade e defende a proteção da vida selvagem e habitats.

Peru

Ambientalistas peruanos também se questionam sobre mortes recentes de golfinhos no Peru. Conforme reportagem, entre fevereiro e abril, foram encontradas 877 carcaças. Quase 90% eram da espécie golfinho-comum-do-bico-fino (Delphinus capensis).

Infecção viral e ondas sonoras emitidas pelos trabalhos de companhia de petróleo estão entre as possíveis causas pela morte de tantos animais.

 

Deixe aqui seu comentário enviar |
Vista aérea do córrego do Crispim, feita a partir do balão do WWF-Brasil
Feito com estrutura de bambu, o viveiro será mantido e cuidado pela comunidade local
Feito com estrutura de bambu, o viveiro será mantido e cuidado pela comunidade local
A expedição visitou o início do córrego Crispim, a poucos metros da nascente, onde a água nasce límpida
Integrantes da expedição recebem informações de técnico da Companhia de Saneamento de Brasília (Caesb) sobre a nascente do Crispim e sobre a captação de água no local
Os incêndios são frequentes no entorno do córrego do Crispim, degradando a vegetação que protege o curso de água.
Travessia do córrego, rumo à foz.
Por falta de segurança e contaminação das águas, a população local deixou de frequentar as belas cachoeiras que se formam na foz do córrego Crispim, onde ele se junta ao córrego Alagados
Incêndios florestais são comuns à beira do córrego: um problema que o Projeto Bacias buscará minimizar.
Integrantes da expedição caminham rumo à foz do Crispim.