01/03/2011

AMBIENTE

Dessalinização mais eficiente

A criação de sistemas de baixo custo que retiram o sal da água é um dos grandes desafios atuais
Da Redação da Revista Cyan


 

dessalinização_noticia


Diariamente, cerca de 62 milhões de metros cúbicos de água são dessalinizados no mundo

No mundo inteiro, cerca de 62 milhões de metros cúbicos de água são dessalinizados por dia. Só nos Emirados Árabes Unidos, aproximadamente 8,5 milhões de metros cúbicos de água passam diariamente por esse processo.

No entanto, grande parte das tecnologias de dessalinização ainda é cara, o que impede que tais sistemas sejam usados amplamente. De acordo com a International Desalination Association, retirar o sal de um metro cúbico de água custa de US$ 0,40 a US$ 0,90.

Uma pesquisa realizada pelas empresas Globescan e SustainAbility sugeriu o desenvolvimento de sistemas de dessalinização mais eficientes como uma das 19 recomendações para solucionar a crise de água no mundo.

As propostas foram apontadas em entrevistas com mais de 1.200 especialistas de diversas áreas. Semanalmente, a Revista Cyan divulga cada uma delas.

Ainda que, no geral, a tecnologia de dessalinização seja custosa, surge, aqui e ali, sistemas mais baratos. No Brasil, por exemplo, técnicos do Laboratório de Referência em Dessalinização (Labdes) da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), na Paraíba, criaram um método que já atende 2 mil comunidades do Nordeste.

"Fernando de Noronha, por exemplo, é abastecida por um equipamento que nós instalamos. Também implementamos um em Cabo Verde, país insular na costa da África", conta Kepler França, coordenador do Labdes.

Outra tecnologia, desenvolvida recentemente, retira o sal ao mesmo tempo em que gera energia por meio de hidrogênio e trata águas residuais. Esse sistema faz-tudo foi criado por pesquisadores da Universidade do Colorado, nos Estados Unidos, e ainda está em testes.

Com o objetivo de cortar cerca de 40% dos seus custos, a Arábia Saudita anunciou que usará energia solar na dessalinização. Entre 50% a 70% da água usada no país é dessalinizada antes do consumo.

Com tantas iniciativas ganhando espaço mundo afora, a água dessalinizada aparece cada vez mais como uma alternativa para quem tem sede.

Crédito da imagem: Getty Images

 

Deixe aqui seu comentário enviar |
Vista aérea do córrego do Crispim, feita a partir do balão do WWF-Brasil
Feito com estrutura de bambu, o viveiro será mantido e cuidado pela comunidade local
Feito com estrutura de bambu, o viveiro será mantido e cuidado pela comunidade local
A expedição visitou o início do córrego Crispim, a poucos metros da nascente, onde a água nasce límpida
Integrantes da expedição recebem informações de técnico da Companhia de Saneamento de Brasília (Caesb) sobre a nascente do Crispim e sobre a captação de água no local
Os incêndios são frequentes no entorno do córrego do Crispim, degradando a vegetação que protege o curso de água.
Travessia do córrego, rumo à foz.
Por falta de segurança e contaminação das águas, a população local deixou de frequentar as belas cachoeiras que se formam na foz do córrego Crispim, onde ele se junta ao córrego Alagados
Incêndios florestais são comuns à beira do córrego: um problema que o Projeto Bacias buscará minimizar.
Integrantes da expedição caminham rumo à foz do Crispim.