17/11/2010

AMBIENTE

Aquecimento afetará bacias hidrográficas

Com isso, poderá haver redução da capacidade de geração de energia e problemas na agricultura
Da Redação da Revista Cyan


represa_500
A redução do volume de água dos rios afetará o nível das represas e poderá prejudicar a
geração de energia hidrelétrica

As mudanças climáticas provocadas pelo aquecimento global poderão gerar, nas próximas décadas, impactos "alarmantes" em algumas bacias hidrográficas do país, especialmente naquelas localizadas na região Nordeste. A redução dos estoques de água afetaria a produção de energia e a agricultura do país.

O alerta faz parte de um estudo divulgado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), em diagnóstico que consta da quarta edição do Boletim Regional, Urbano e Ambiental do órgão.

De acordo com o documento, a diminuição do volume de água até 2100 seria mais moderada na região Norte, mas nas demais pode haver redução da capacidade de geração de energia hidrelétrica de 29% a 31%. Os impactos seriam menores nas regiões Sul e Sudeste, mas não o suficiente para repor as perdas das regiões Norte e Nordeste.

Para minimizar esse cenário, os cientistas do IPEA afirmam que a substituição de combustíveis fósseis por renováveis poderia evitar emissões domésticas de 92 milhões a 203 milhões de toneladas de gás carbônico (CO2) equivalente em 2035.

Na agricultura, o impacto seria grande nas plantações de soja, milho e café, que sofreriam redução de até 34%, 15% e 18%, respectivamente. A única cultura que não seria atingida, conforme o estudo, seria a de cana-de-açúcar.

O documento aponta ainda que as populações das regiões Norte e Nordeste serão as mais afetadas nas próximas décadas se houver agravamento das condições climáticas no Brasil, o que pode aprofundar as desigualdades regionais de renda.

Crédito foto: Eduardo Bagnoli

 

Deixe aqui seu comentário enviar |
Vista aérea do córrego do Crispim, feita a partir do balão do WWF-Brasil
Feito com estrutura de bambu, o viveiro será mantido e cuidado pela comunidade local
Feito com estrutura de bambu, o viveiro será mantido e cuidado pela comunidade local
A expedição visitou o início do córrego Crispim, a poucos metros da nascente, onde a água nasce límpida
Integrantes da expedição recebem informações de técnico da Companhia de Saneamento de Brasília (Caesb) sobre a nascente do Crispim e sobre a captação de água no local
Os incêndios são frequentes no entorno do córrego do Crispim, degradando a vegetação que protege o curso de água.
Travessia do córrego, rumo à foz.
Por falta de segurança e contaminação das águas, a população local deixou de frequentar as belas cachoeiras que se formam na foz do córrego Crispim, onde ele se junta ao córrego Alagados
Incêndios florestais são comuns à beira do córrego: um problema que o Projeto Bacias buscará minimizar.
Integrantes da expedição caminham rumo à foz do Crispim.