24/01/2011

A tragédia de Darfur

Escassez de água e pobreza assombram vítimas do conflito que já matou mais de 300 mil africanos

darfur_geral
Dois milhões de refugiados têm dificuldade em encontrar água na região árida

A África é palco de uma série de conflitos de origens políticas, religiosas e étnicas, agravados pelas condições precárias em que vive a população local. A maioria das guerras se iniciou no século passado, como resultado da libertação de países após décadas de colonização.

O Sudão, maior país do continente, viveu uma guerra civil entre o norte e o sul por quase meio século. O norte do país, formado por um extenso deserto, abriga uma população em sua maioria árabe e muçulmana, enquanto o sul, coberto por vastas áreas verdes, florestas e pântanos, é habitado por cristãos e negros.

A guerra étnico-religiosa culminou no conflito de Darfur, região do extremo oeste assolada pelo clima árido e pobreza.

Um painel interativo da exposição Água na Oca mostra que a disputa entre milícias árabes, os janjaweeds, e a população negra local já matou mais de 300 mil africanos e deixou dois milhões de refugiados.

Segundo o secretário-geral da ONU Ban Ki-Moon, o conflito extrapola as razões étnicas e está diretamente ligado às alterações climáticas ocorridas há duas décadas na região. As chuvas se tornaram mais escassas, o que iniciou a disputa entre tribos árabe-africanas nômades, entre elas os janjaweeds, e os agricultores de Darfur.

De acordo com o programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), o conflito de Darfur provocou uma grave degradação ambiental, principalmente a desertificação e o desmatamento.

O conflito gera um ciclo perpétuo em torno do fornecimento de água. As comunidades têm acesso a poços com bombas de água, mas são obrigadas a migrar com os ataques das milícias. Em 2004, poços em Darfur foram envenenados, deixando milhares de refugiados na região.

O PNUMA afirma que, para se discutir as chances de paz na região, é preciso considerar as questões relativas à degradação ambiental. Segundo o órgão, os desertos aumentaram por volta de 100 quilômetros nos últimos 40 anos, e 12% da cobertura das florestas foi perdida em 15 anos.

A solução, apontada por Ban Ki-Moon, é recuperar a estrutura social e econômica de Darfur com desenvolvimento sustentado, somando os esforços das Nações Unidas, do governo sudanês e o trabalho humanitário das ONGs.

Crédito foto: John Miles

Deixe aqui seu comentário enviar |

Destaques

CachorroCarroChuveiroPrivada