Notícias

A luta do CapibaribeA luta do Capibaribe07/02/2011
A tragédia de DarfurA tragédia de Darfur24/01/2011
O escultor da águaO escultor da água17/01/2011
Bambu recupera matas ciliaresBambu recupera matas ciliares10/01/2011
20/12/2010

Serviço sujo

Detergentes não-biodegradáveis poluem rios e córregos

tiete_500
A espuma se forma porque os micro-organismos dos rios não conseguem quebrar as
moléculas de detergente

Quando lavamos a louça, deveríamos ter como preocupação principal evitar o gasto excessivo de água. Se, enquanto você ensaboa os utensílios, deixar a torneira 15 minutos aberta, 117 litros de água potável, limpinha, vão direto para o ralo. Um painel interativo da exposição Água na Oca mostra que, se você fechar a torneira e ensaboar todos os pratos, talheres, copos e panelas, e só abrir quando for enxaguá-los, terá economizado água suficiente para mais quatro jantares.

Mas ninguém se dá conta de que outra atitude ao lavar a louça contribui para a poluição da água. O uso de detergentes não-biodegradáveis, os mesmos que deixam os utensílios domésticos limpíssimos, causa sérios prejuízos aos rios e córregos quando caem na rede de esgoto.

Você já deve ter reparado na espuma densa que flutua sobre a superfície de alguns rios poluídos. É comum, por exemplo, ver espuma no Rio Tietê, em São Paulo. Mas não significa que esse cenário seja normal. O detergente acumulado não é diluído porque suas moléculas não são destruídas por microorganismos presentes na água.

E essas espumas, conhecidas como "cisnes de detergentes", causam grandes estragos na natureza. Ao impedir a entrada de oxigênio na água, afetam gravemente a vida nos rios.

A poluição nos rios pode ser reduzida com um gesto simples: trocando o detergente por sabão de barra, fabricado com álcalis e gordura vegetal, cujas moléculas são quebradas pelas enzimas produzidas pelos microorganismos presentes na água. Como essas enzimas não reconhecem as cadeias dos detergentes, as moléculas desses produtos permanecem na água sem sofrer decomposição, por isso são considerados não-biodegradáveis.

Além do sabão em barra comum, existem outras opções que poluem menos a água. Um exemplo é o detergente feito por ingredientes naturais, ao contrário do detergente comum, cuja produção utiliza substâncias derivadas do petróleo. Ainda que seja mais caro, ele produz menos espuma. Mas, se você não quiser gastar tanto, existem algumas receitas caseiras simples que agridem menos o meio ambiente.

No entanto, se grandes quantidades de esgoto são jogadas no rio, nem mesmo o sabão biodegradável pode ser destruído pelos micro-organismos. Caso a água esteja extremamente poluída, não há oxigênio para que as bactérias realizem a respiração aeróbica e produzam enzimas capazes de quebrar as moléculas de sabão.

Crédito foto: Mauricio Simonetti

Deixe aqui seu comentário enviar |

Destaques

CachorroCarroChuveiroPrivada