09/05/2011

NOTÍCIAS

Mais verde no prato

Consumir menos carne e aproveitar a diversidade de vegetais na dieta é uma das maneiras eficientes para reduzir a pegada hidrológica


vegetais

O consumo de água para produzir legumes, frutas e verduras é bem menor do que o gasto para produzir carne bovina

Todo mundo já sabe que os vegetais trazem muitos benefícios à saúde humana. Mas do que pouca gente se dá conta é que consumir frutas, legumes e verduras é uma atitude bastante sustentável.

As leguminosas são favoráveis ao ambiente porque consomem menos água e energia que todos os tipos de carne animal. Para efeito de comparação, são gastos apenas 70 litros de água para produzir uma maçã, contra 15.500 litros de um quilo de carne bovina 15.500 litros.

É por isso que a pegada hídrica de um vegetariano é menor que a de quem consome carne bovina. Além disso, os vegetais oferecem uma vasta gama de produtos alimentares, enriquecendo a dieta de qualquer pessoa.

Legumes, frutas e verduras têm outra vantagem além do consumo reduzido de água. Esses alimentos ajudam a melhorar a saúde do solo e ajudam a fixar nitrogênio, num dos ciclos mais importantes dos ecossistemas terrestres.

Mas alguns vegetais, como os grãos de monoculturas, têm maior consumo de água. A produção de 1 quilo de soja, por exemplo, gasta-se 1.800 litros de água em sua cadeia produtiva.

O arroz, vegetal que depende de muita água durante o cultivo, é um dos que mais consomem o recurso no mundo: atualmente são necessários 784 trilhões de litros de água para produzir a safra global anual. Cada quilo exige 3.400 litros de água para ser feito.

Veja aqui uma matéria sobre a pegada hídrica do arroz.

Para conferir a pegada hidrológica de outros produtos, acesse o site da Water Footprint Network, que estuda a pegada no mundo todo.

Acesse um quiz disponível on-line e teste seus conhecimentos sobre a pegada hídrica dos alimentos, de vegetais a carnes e bebidas.

 

Deixe aqui seu comentário enviar |
Vista aérea do córrego do Crispim, feita a partir do balão do WWF-Brasil
Feito com estrutura de bambu, o viveiro será mantido e cuidado pela comunidade local
Feito com estrutura de bambu, o viveiro será mantido e cuidado pela comunidade local
A expedição visitou o início do córrego Crispim, a poucos metros da nascente, onde a água nasce límpida
Integrantes da expedição recebem informações de técnico da Companhia de Saneamento de Brasília (Caesb) sobre a nascente do Crispim e sobre a captação de água no local
Os incêndios são frequentes no entorno do córrego do Crispim, degradando a vegetação que protege o curso de água.
Travessia do córrego, rumo à foz.
Por falta de segurança e contaminação das águas, a população local deixou de frequentar as belas cachoeiras que se formam na foz do córrego Crispim, onde ele se junta ao córrego Alagados
Incêndios florestais são comuns à beira do córrego: um problema que o Projeto Bacias buscará minimizar.
Integrantes da expedição caminham rumo à foz do Crispim.