30/03/2012

NOTÍCIAS

Crianças e adolescentes visitam ações ambientais do Palha

No Dia Mundial da Água, integrantes da Oficina Cultural Raízes conferem o monitoramento de córrego do Distrito Federal
Da Redação da Revista Cyan


Em alusão ao Dia Mundial da Água (22 de março), integrantes da Oficina Cultural Raízes conheceram as ações ambientais realizadas no Córrego do Palha, localizado na área rural do Setor de Mansões do Lago Norte (DF) e um dos cursos d'água monitorado mensalmente pelo Projeto Bacias. A visita foi organizada pelo WWW-Brasil, parceiro do Bacias, em conjunto com o Instituto Internacional de Educação do Brasil (IEB).

foto 1

Crianças recebem informações ambientais durante passeio em comemoração ao Dia Mundial da Água. Foto: Sérgio Amaral

Durante algumas horas, crianças e adolescentes que frequentam as aulas de capoeira da oficina tiveram a chance de conhecer de perto as ações realizadas no córrego com a finalidade de preservar e melhorar a qualidade da água da bacia hidrográfica do Paranoá.

A atividade aconteceu no Espaço Ilumina, onde se encontra a nascente do Córrego do Palha, possui diversas construções ecológicas e periodicamente oferece atividades de educação ambiental. Lá, os participantes coletaram a água da nascente para depois analisarem sua qualidade.

A água do riacho abastece cerca de mil moradores do Núcleo Rural do Córrego do Palha e tem boa qualidade. Segundo Elisa Marie Sette Silva, analista do Programa Água Para a Vida, do WWF-Brasil, a melhor água que abastece o Lago Paranoá provem da região em que se encontra o Palha e outros corrégos monitorados pelo projeto.

O grupo também conheceu as ações ambientais realizadas no Espaço Ilumina, como o banheiro seco, alternativa que permite transformar dejetos humanos em adubo, sem o desperdício de água e evitando a contaminação do solo.

Foto 3

Fotografia registra a visita dos integrantes da Oficina Cultural Raízes no Espaço Ilumina, onde está situada a nascente do córrego

"Além de celebrar o Dia Mundial da Água, a visita ao Córrego Palha é uma forma de conscientizar as crianças e os adolescentes sobre a importância da preservação das águas", defende Elisa.

Para Gabriel Cristian Alves Pereira, conhecido como Aladin, idealizador e coordenador geral da Oficina Cultural Raízes, a visita ao córrego é uma forma dos integrantes assimilarem noções ambientais de forma prática. "As crianças vão para esse tipo de atividade com alegria e o momento de diversão se transforma em aprendizado prático", completa.

Aladin informa ainda que atividades ambientais fazem parte das atividades propostas no projeto, criado em 2007 para atender crianças e adolescentes do Varjão, Lago Norte e Granja do Torto. Além de capoeira, os participantes têm aulas de dança de raiz - confira aqui apresentação de maculelê. Desde sua fundação, cerca de mil estudantes já passaram pelo projeto.

Projeto Bacias

Realizado em parceria com o WWF-Brasil, o Projeto Bacias tem como objetivo a melhoria da qualidade das águas das bacias hidrográficas em que estão instaladas as fábricas da Ambev. A proposta é promover um verdadeiro movimento de conscientização para conservar a água.

O Distrito Federal foi escolhido como projeto-piloto. Além de ações diretas, como o plantio de mudas, o projeto prevê apoio à gestão dos recursos hídricos, por meio do engajamento da comunidade e do apoio aos comitês de bacia.

A iniciativa rendeu à Ambev no ano passado o Prêmio Global 2011 - Dia Mundial do Meio Ambiente, da Anheuser-BuschInbev, que reconhece as melhores práticas desenvolvidas pelas unidades dos 23 países onde a companhia atua.

 

Deixe aqui seu comentário enviar |
Vista aérea do córrego do Crispim, feita a partir do balão do WWF-Brasil
Feito com estrutura de bambu, o viveiro será mantido e cuidado pela comunidade local
Feito com estrutura de bambu, o viveiro será mantido e cuidado pela comunidade local
A expedição visitou o início do córrego Crispim, a poucos metros da nascente, onde a água nasce límpida
Integrantes da expedição recebem informações de técnico da Companhia de Saneamento de Brasília (Caesb) sobre a nascente do Crispim e sobre a captação de água no local
Os incêndios são frequentes no entorno do córrego do Crispim, degradando a vegetação que protege o curso de água.
Travessia do córrego, rumo à foz.
Por falta de segurança e contaminação das águas, a população local deixou de frequentar as belas cachoeiras que se formam na foz do córrego Crispim, onde ele se junta ao córrego Alagados
Incêndios florestais são comuns à beira do córrego: um problema que o Projeto Bacias buscará minimizar.
Integrantes da expedição caminham rumo à foz do Crispim.