28/03/2011

NOTÍCIAS

Água boa no Paraná

Projeto da Itaipu Binacional é exemplo de gestão responsável dos recursos hídricos
Da Redação da Revista Cyan


rio_parana

A oeste do Paraná e ao sul do Mato Grosso do Sul, localiza-se a bacia hidrográfica do rio Paraná 3. A área abrange 8.000 km2 de afluentes, que deságuam no rio Paraná. Cerca de 1 milhão de habitantes vivem em 29 municípios situados no entorno da bacia.

A partir de 1950, o aumento da ocupação desordenada gerou problemas para a região, como a contaminação das águas por agrotóxicos e esgotos.
Na década de 80, quando o reservatório da Usina Hidroelétrica Itaipu Binacional foi formado, iniciou-se um monitoramento das condições da água da bacia.

Inicialmente, concluiu-se que não apenas os recursos hídricos estavam numa situação precária, mas também as comunidades sofriam com as contaminações.

Com a implantação do programa Cultivando Água Boa, em 2003, diversos atores locais, como a Itaipu Binacional, ONGs, cooperativas, empresas e instituições de ensino uniram-se no desenvolvimento de uma gestão sustentável para a bacia do Paraná 3.

O Cultivando Água Boa já realizou várias ações de educação ambiental para envolver a população nos esforços em recuperação da bacia. Além disso, aproximadamente 600 quilômetros de cercas foram construídos para isolar as matas ciliares.

Outra iniciativa adotada foi conscientizar os moradores sobre a necessidade de destinação adequada de dejetos animais, para que não venham a poluir os cursos d'água.

Também foram instalados mais de 500 abastecedores comunitários de água para os pulverizadores de agrotóxicos - evitando que essas máquinas sejam enchidas nos cursos de água e, em caso de falta de cuidado no manuseio, contaminem a área.

É de projetos como o Cultivando Água Boa que as bacias hidrográficas brasileiras precisam. A Ambev também desenvolve um programa em prol da recuperação de bacias. Clique aqui e saiba mais.

 

Deixe aqui seu comentário enviar |
Vista aérea do córrego do Crispim, feita a partir do balão do WWF-Brasil
Feito com estrutura de bambu, o viveiro será mantido e cuidado pela comunidade local
Feito com estrutura de bambu, o viveiro será mantido e cuidado pela comunidade local
A expedição visitou o início do córrego Crispim, a poucos metros da nascente, onde a água nasce límpida
Integrantes da expedição recebem informações de técnico da Companhia de Saneamento de Brasília (Caesb) sobre a nascente do Crispim e sobre a captação de água no local
Os incêndios são frequentes no entorno do córrego do Crispim, degradando a vegetação que protege o curso de água.
Travessia do córrego, rumo à foz.
Por falta de segurança e contaminação das águas, a população local deixou de frequentar as belas cachoeiras que se formam na foz do córrego Crispim, onde ele se junta ao córrego Alagados
Incêndios florestais são comuns à beira do córrego: um problema que o Projeto Bacias buscará minimizar.
Integrantes da expedição caminham rumo à foz do Crispim.