14/03/2011

NOTÍCIAS

Gestão de bacias mundo afora

Canadá desenvolve pesquisa exemplar para nortear o uso de seus recursos hídricos
Da Redação da Revista Cyan


Bacias

As bacias hidrográficas abrigam 40% das espécies de peixes existentes no mundo. Elas têm papel fundamental na retenção de água para o controle das enchentes e são importantes rotas de transportes. Com tamanha importância, a gestão das bacias é crucial em qualquer país.

Há experiências interessantes mundo afora. No Canadá, por exemplo, governos de diversas esferas (federal, estadual e municipal) uniram esforços na realização de um Estudo das Bacias Hidrográficas do Norte, com o objetivo compreender os impactos das atividades humanas para algumas bacias e ecossistemas da região. A pesquisa, publicada em 2004, custou cerca de 12 milhões de dólares.

O estudo foi realizado por um conselho composto de 25 membros. Eles indicaram várias recomendações para uma melhor gestão das bacias verificadas. Uma das propostas, por exemplo, recomenda que "todos os aspectos das atividades de uso da terra sejam examinados, incluindo limpeza de terrenos, construção de estradas, canalização, reflorestamento, uso de fertilizantes e eliminação de resíduos".

A pesquisa relaciona o mau uso da terra a problemas com os recursos hídricos. A má conservação do solo pode desencadear problemas graves para os cursos de água, como assoreamento e eutrofização. Ao deixar clara a relação entre o planejamento do uso do solo e a gestão de bacias, o estudo lança um olhar sistêmico para questões que às vezes são tratadas de maneira isolada.

Os pesquisadores indicam ainda que os efeitos da agricultura, da extração de petróleo e gás sobre os cursos de água também devem ser investigados minuciosamente. Além de integrar a gestão de todas essas áreas, o estudo não se esquivou de atribuir responsabilidades. "A necessária compreensão só pode ser adquirida por meio da atenção sustentada e coordenada pelos órgãos governamentais responsáveis", enfatizam.

Por ser uma pesquisa que abarcou dados de quatro bacias (Peace, Athabasca, Slave e Lake Athabasca), os resultados nortearam várias políticas de gestão que vieram posteriormente. Para acessar o estudo, clique aqui.

 

Deixe aqui seu comentário enviar |
Vista aérea do córrego do Crispim, feita a partir do balão do WWF-Brasil
Feito com estrutura de bambu, o viveiro será mantido e cuidado pela comunidade local
Feito com estrutura de bambu, o viveiro será mantido e cuidado pela comunidade local
A expedição visitou o início do córrego Crispim, a poucos metros da nascente, onde a água nasce límpida
Integrantes da expedição recebem informações de técnico da Companhia de Saneamento de Brasília (Caesb) sobre a nascente do Crispim e sobre a captação de água no local
Os incêndios são frequentes no entorno do córrego do Crispim, degradando a vegetação que protege o curso de água.
Travessia do córrego, rumo à foz.
Por falta de segurança e contaminação das águas, a população local deixou de frequentar as belas cachoeiras que se formam na foz do córrego Crispim, onde ele se junta ao córrego Alagados
Incêndios florestais são comuns à beira do córrego: um problema que o Projeto Bacias buscará minimizar.
Integrantes da expedição caminham rumo à foz do Crispim.